Excesso de peso e obesidade: um sério problema de saúde

Por que engordamos?
Excesso de peso e obesidade: um sério problema de saúde

O excesso de peso e a obesidade são considerados os principais problemas de saúde pública do mundo moderno, tanto por serem cada vez mais difundidos quanto por terem sérias consequências patológicas.

O aumento de peso, para o qual contribuíram os novos hábitos alimentares e o estilo de vida sedentário, é favorecido pela predisposição genética à criação de reservas de gordura, que deriva das condições em que ocorreu a evolução da espécie humana.

A nossa espécie desenvolveu-se em situações de escassez de alimentos, sendo que esse factor terá favorecido geneticamente a capacidade de acumular reservas, que nessas condições, era mais vantajosa do que a capacidade de eliminar o desequilíbrio energético entre o consumo excessivo de calorias e uma redução actividade física.

Subjacente a este desequilíbrio estão as mudanças na sociedade com crescimento económico, modernização, urbanização e a globalização dos mercados de alimentos.

A dieta mudou, aumentando o consumo de alimentos ricos em fibras, com uma maior percentagem de gorduras saturadas e açúcares refinados.

Ao mesmo tempo, houve uma drástica redução na actividade física com trabalho que se tornou fisicamente menos exigente, transporte automatizado, tecnologia em casa e estilo de vida sedentário.

Muitas pessoas com idade entre 18 e 69 anos estão acima do peso. O crescimento do problema entre as crianças é particularmente preocupante.

Estar acima do peso enquanto criança, tem efeitos negativos sobre a saúde durante a infância, assim como na adolescência e na idade adulta. Uma criança que é obesa aos 6 anos tem muito mais probabilidade de ser obesa em adulta.

A maioria dos adolescentes obesos permanece obeso na idade adulta, pois é mais difícil perder peso de forma estável devido a factores biológicos e psicossociais. Prevenir e tratar o excesso de peso mesmo antes da adolescência é, portanto, importante.
A escala do problema está-se a tornar particularmente séria, uma vez que o excesso de peso e a obesidade, além das consequências físicas e sociais mais imediatas, representam factores de risco significativos para doenças;

  • metabólicas e degenerativas,obesidade
  • doenças cardíacas;
  • doenças cerebrovasculares,
  • respiratórias e ósseas / articulares;
  • diabetes;
  • doença hepática gordurosa.

Excesso de peso e obesidade: não é apenas uma questão de quilos extras

A obesidade é uma doença crónica causada por um excesso de massa gorda distribuída de forma diferente nos vários distritos do corpo.

Para definir se há um "excesso" de gordura, comummente nos referimos ao índice de massa corporal (IMC ou IMC = Índice de Massa Corporal, de acordo com a definição americana), que é calculado com a seguinte fórmula:

IMC = peso (em kg) / altura ao quadrado (em metros) = kg / m2

IMC
Indice de massa corporal  
INDIVIDUO

 

18,5   
18,5 – 24,9   
25 – 29,9   
30 – 34,9  
35 – 39,9   
> 40  

 

abaixo do peso
peso normal
excesso de peso
obesidade
obesidade grau II
obesidade grau III

O IMC, embora continue a ser um indicador útil e imediato do excesso de obesidade, deve ser considerado apenas um dos parâmetros a serem monitorizados.

De fato, o mesmo IMC pode corresponder a diferentes níveis de gordura corporal. O IMC não fornece nenhuma indicação sobre a localização da gordura, que é, ao contrário, decisiva para a avaliação dos riscos de doenças cardiovasculares e diabetes.

Por estas razões, é importante considerar também a circunferência umbilical  (ou seja, a circunferência do abdómen medida na altura do umbigo), que é um indicador considerado confiável da quantidade de gordura presente no interior do abdómen (gordura visceral).

A presença de um excesso de gordura abdominal, como veremos, representa, de fato, em si, além do IMC, um factor de risco para doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2.

gordura

MULHER HOMEM AVALIAÇÃO
<80
80 - 88
> 88
<94
 94 - 102
> 102

 normal
elevado
 muito alto